domingo, 17 de junho de 2012

O medo conforta(dor)

Por querer tanto, te disse baixinho aquele não. Por tanto medo, recuei quando me vi na margem daquele grande sentimento. Porque eu fujo de tudo que é intenso demais. E antes que eu me enforcasse com essa corda, corri para longe, me abriguei nas protegidas colinas da minha solidão. Lá onde ninguém me tocava, naquele lugar em que o medo pintava o céu e a água era a calmaria do não-amor.

2 comentários:

Junior Suzuki disse...

"porque eu fujo de tudo que é intenso demais."

Certas experiências são assustadoras demais, por mais que sejam consideradas pela maioria "naturais" da vida.

Memórias .. disse...

Sendo assim o medo conforta(dor) que sentimos não conforta nenhum pouco nossas dores, mas sim alimenta e muito as nossas ilusões..