terça-feira, 11 de agosto de 2009

coisas antiquadas

Assim como uma flor,que se desprende da terra e logo morre. Tenho medo de me desprender do meu pequeno mundo, para desvendar novos horizontes, e acabar me arrependendo. Tenho medo do que é novo.
Arriscar, uma palavra que não é de meu agrado. Sou apegada a coisas antiquadas, eu gosto do que é velho. Me dou bem com a rotina. Surpresas e novidades dispenso. A calmaria do dia-a-dia me sossega e me enche de paz.
Talvez, eu seja uma jovem menina, mas com o espírito já envelhecido, cansada de ver seus sonhos caírem ao chão, e não surtirem efeito algum.

4 comentários:

Caroline Belo disse...

poutz, eu adoro seus textos ._.

beijos :*

Tassia disse...

Seus textos são ótimos, bem fluentes, belos mesmo... Vou linkar no meu blog, ok?

meus instantes e momentos disse...

um texto muito bem escrito. Gostei daqui.
Maurizio

Rafael disse...

hum, você também deve ser taurina.