sábado, 17 de agosto de 2013

Do Amor Literário


Do barroco,
Com jogos de palavras,
Antíteses constantes,
Dos sentimentos à beira da hipérbole.

Do Arcadismo revoltoso
Com as rebuscadas linguagens.
Pintando o bucolismo,
Tendo como enamorados Marília e Dirceu.

Do romantismo,
Com sua subjetividade,
Tom intimista
E uma liberdade de expressão antes contestada.

Do realismo Machadiano,
Dos versos parnasianos de Bilac,
Do simbolismo velando a musicalidade,
Do modernismo polêmico.

A terra, o homem e a luta,
Como divisores de Os Sertões.
Da semana de 22,
Da geração de 45,
Do concretismo,
Da poesia social.

Do meu amor literário
E literal,
Que atravessa os dias
Difunde-se em literatura
E se esbarra em ti.

2 comentários:

Hellen disse...

Meu Deus, que coisa mais linda.
Todas as fases da literatura compondo esse poema...

Que saudade que eu estava daqui.

Autora da História disse...

Obrigada Hellen!
Beijocas.